Sônia Madruga

Sônia Madruga

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Quanto cobrar?

Outro assunto que permeia conversas entre profissionais da área é o preço a se cobrar quanto ao nosso trabalho. Principalmente no início da carreira.


Qual o valor da nossa criação? 
Ela é boa o suficiente para determinado preço? 
Se for por hora de trabalho? 


Meu primeiro trabalho como figurinista no teatro foi DE GRAÇA. Não recebi um tostão se quer e ainda tirei do meu bolso. Lógico que foi um investimento dado que logo depois vieram outros trabalhos e todos remunerados. E aí veio a dúvida: QUANTO COBRAR?


Acredito que quando o tempo vai passando, vamos ganhando experiência e visibilidade... e aí sim podemos começar a cobrar um pouco mais. Mas o que cobrar? 


Uma vez numa Oficina de Figurino Teatral, com Ronald Teixeira, ele passou uma lista do que deve estar incluído no preço de um profissional de figurino:


1. Material de pesquisa (horas na Internet, compra de livros, revistas)
2. Material para desenho (Canson, lápis, nanquim, papéis para colagens, tinta, lápis de cor, etc)
3. Transporte/Gasolina (para pesquisa, orçamentos, ensaios)
4. Costureira/Alfaiate/Chapeleiro/Sapateiro/Aderecista/Assistente
5. E finalmente, em cima do valor de cada um dos itens, acrescentar 40% e aí é o seu cachê!


E usando desta jogada, me deparei diversas vezes com "muito caro, não temos dinheiro" - claro, teatro quase nunca tem dinheiro; e também com "o valor estimado para figurino (cachê, costureira, assistente, material, tecidos, etc) é X" e aí você tem que se virar como pode. 


E vale à pena?